BARONS

BARONS

Até o Último Homem: Mel Gibson está de volta




História inacreditável de fé e bravura




Até o Ultimo Homem_cartaz

Como sempre o melhor tem que ficar para o final, então hoje para fechar a série com os nossos 3 favoritos ao Oscar 2017 (favoritos = os que mais gostamos e não os com maior chance de prêmio), chegamos ao sensacional, incrível e emocionante ‘Até o Último Homem’.

Enredo

O filme conta a história REAL (acredite ou não) de Desmond Doss, um jovem religioso e com vários traumas de infância que mesmo sendo um “objetor de consciência” (não podia matar ninguem e nem mesmo portar uma arma) decidiu servir o exército americano como médico durante a segunda guerra mundial, contra a vontade da sua família e do próprio exército.

Mel Gibson

Vamos começar com Mel Gibson, porque o filme tem a cara dele, mesmo ele não atuando aqui e tendo um currículo curto como diretor, algumas características estão presentes em todos os seus filmes, o que vai criando uma identidade própria para as suas obras.

Mel Gibson - Até o Último Homem

O tiozão entende muito de guerra

Falando da identidade que os filmes de Gibson tem, podemos destacar a violência e cenas fortes, o heroísmo de seus personagens e a adaptações de histórias reais. Em seus 5 filmes até agora (O Homem Sem Face, Coração Valente, A Paixão de Cristo, Apocalypto e Até o Último Homem), três são baseados em fatos (sem entrar em polemicas, A Paixão é baseada numa história considerada real) e em quatro deles temos muita violência e muito heroísmo por conta de seu protagonista, o único que aparentemente destoa do resto da lista é o seu primeiro filme, ‘O Homem Sem Face’, onde é mais um drama em que não temos ação e nem um herói propriamente dito, mas por ser o primeiro a gente pode ignorar na hora de levantar dados.

Como um cara extremamente religioso e que costuma levar ao limite suas ideias (e atos), Gibson encontrou na história de Doss o enredo perfeito para filmar, um homem que coloca a religião em primeiro lugar, mas jamais abandona seus companheiros e que prova que sua maneira diferente de fazer as coisas funciona tão bem quanto a que os outros julgam corretas. “Mel Approve This Message!” e dá alma ao filme.

Sobre o filme

Focando mais especificamente no filme agora, nos primeiros minutos mais do que apresentados ao personagem principal, começa a ficar bem claro o porquê das suas convicções, mesmo que a gota d’água só seja revelada na metade do filme, com o que temos antes da guerra já é o suficiente para aceitar suas decisões, por mais idiota que elas pareçam.

As atuações

Dentre os 6 Oscar dos quais o filme foi indicado, três estão entre as categorias mais importantes, Melhor Filme (o post todo é sobre esse), Melhor Diretor (já falamos do Mel), e Melhor Ator, indicação para Andrew Garfield.

Vince Vaughn - Até o Último Homem

Como um soldado deve se comportar

Puxando para o lado mais nerd do site, temos o ex-Homem-Aranha interpretando o primeiro Homem-Aranha (Tobey Maguire), isso porque com exceção do final, onde ele já tinha presenciado o que é uma guerra real, Doss tem uma cara de bobo surreal, e o pior é que quando você vê no final o verdadeiro Doss, você dá os parabéns para Garfield e não acredita como um cara desses foi um herói de guerra.

Lembra do Moises? Aquele que não consegue, do programa do Silvio Santos?! Então, esse é o verdadeiro Desmond Doss.

Garfield vai muito bem na cara de bobo, mas não acho sua atuação suficiente para um Oscar, muito mais que um filme de uma pessoa, esse é um filme de conjunto e até por isso acho que está entre os favoritos para o maior prêmio.

pelotão - Até o Último Homem

Como Doss se comportava

Um exemplo do ótimo trabalho em equipe, roteiro e direção, é o personagem de Vince Vaughn. Vaughn é um dos atores de comédia que eu mais odeio nesse mundo, mas ele sendo sério aqui é muito bom, sendo na minha opinião o melhor filme dele e o personagem um dos melhores do filme. Além dele temos também Sam Worthington, não que eu tenha algo contra ele, mas é um fato que ele nunca se tornou o que imaginavam quando ele começou a protagonizar tudo quanto era filme e como coadjuvante aqui ele vai bem.

Já algo que independe do filme é Hugo Weaving, assim como falamos de Jeff Bridges em ‘A Qualquer Custo‘, qualquer filme em que esse cara está ele chama a atenção. Se tem alguém que merece um Oscar Honorário é o Hugo, o cara foi Agent Smith em Matrix, Elrond senhor de Rivendell em Senhor dos Anéis e O Hobbit, V em V de Vingança, o Caveira Vermelha em Capitão América e Megatron em Transformers só para citar seus papeis mais famosos. Em ‘Até o Último Homem’ ele é o pai problemático/traumatizado de Desmond, e mesmo aparecendo pouco é o melhor do filme, é violento e emotivo mostrando o que a guerra faz com um homem.


Recomendo fortemente que assistam sem conhecer a história de Desmond, isso muda totalmente a forma como você conhece o cara, sempre digo para assistir sabendo o menos possível, mas nesse caso é ainda mais importante pois é inacreditável a história desse homem.

Paredão - Até o Último Homem

O paredão real e o do filme

Foram quase 10 minutos segurando ao máximo as lagrimas, porque para quem tem qualquer ligação militar, religiosa ou até mesmo pratica esportes em equipe onde um precisa do esforço do outro se sente tocado pela atitude do soldado, e por tudo que ele fez pelos seus “parceiros” que cederam aos seus superiores e até seus inimigos. Sem citar o final com depoimentos reais dele e dos outros personagens do filme, contando o que sentiram no momento.

Frase - Até o Último Homem

Imagina esse magrelinho correndo no campo de batalha repetindo “Por favor Senhor, me ajude a salvar mais um”

Filmaço entre os meus favoritos do ano e recomendado para todos, só cuidado ao assistir enquanto come porque não podemos esquecer que é um filme de Mel Gibson e de guerra, então muito sangue e pedaços de gente por todo lado.

É isso, filme nota 10, com inicio, meio e fim, tudo bem justificado, muito bem ambientado e adaptado, desde a história do protagonista até a história da importante batalha travada na Ilha de Okinawa, recomendo ainda assistir as séries Band of Brothers e principalmente The Pacific para saber mais histórias da Segunda Guerra e das batalhas contra os japoneses (um dia ainda falaremos delas, um dia…).


Tags do post:


Close