BARONS

BARONS

Supermax




Ainda não acredito que a Globo conseguiu!




supermax - cartaz

Antes de começar, vou explicar o esquema desse post. Logo após assistir o primeiro episódio, comecei a escrever minhas impressões e o que eu esperava do seriado. Porém descobri que a Globo disponibilizou para seus assinantes, todos os episódios (menos o último) para serem assistidos online, por isso não fazia sentido eu falar das minhas expectativas para o futuro da série, se eu poderia ver logo e falar a realidade…. Então aqui estamos, mas antes de me derreter pela série, vou falar o que eu esperava e o que achei do primeiro episódio mesmo assim!

Sobre a Globo e a surpresa do projeto

Não preciso apresentar o canal para ninguém, e nem dizer que se alguma emissora tem dinheiro, profissionais e estrutura para pelo menos começar a criar programas com o padrão americano de qualidade no Brasil, esse alguém é a Globo.

Então porque em pleno 2016, nós ainda só encontramos na programação, novelas, series e minisséries com as mesmas temáticas e formato de teledramaturgia, sempre aqueles mesmos problemas familiares, amores não correspondidos e outros problemas banais que todo mundo está cansado de viver no dia a dia?

Muitos dizem que é medo de perder a sua audiência, até acredito que possa ser verdade, já que as mamães e vovós parecem ser o alvo favorito deles (tiraram até a TV Globinho) para passar mais programas de meia idade, mas vamos ser sinceros, esse público alvo deles, não fica na TV depois das 23h, então porque não investir numa coisa nova, ao invés de tramas policiais ou histórias na favela ou até uma junção das duas coisas? Para mim a única explicação é o medo (e a idade) dos seus produtores e chefões, que não querem sair das suas zonas de conforto e mantem sempre os mesmos temas no ar.

Primeira reunião em supermax

O primeiro contato com Bial

Por isso o anuncio de Supermax chamou tanta atenção, enfim veríamos a Globo evoluir seu conteúdo, misturando profissionais extremamente experientes como José Alvarenga Jr. (A Diarista, Sai de Baixo…) com outros jovens talentosos como Raphael Draccon (escritor de Dragões de Éter e ícone da literatura fantástica no Brasil), além de utilizar as atrizes Cleo Pires e Mariana Ximenes com atores em ascenção.

Supermax como produção da Globo, seria como a Marvel produzindo um drama estilo “A Culpa é das Estrelas” entende? Você espera o melhor, já que eles têm as ferramentas para tornar produções com qualquer tema um sucesso de audiência e de qualidade, mas ainda assim é um terreno novo e podem haver graves falhas.

Ou seja, tem tudo para ser ótimo… mas tem sempre aquele 1% (peço sinceras desculpas pela referência).

O primeiro episódio e as expectativas

Para mim, o maior mérito desse primeiro episódio é que eles não mostram do que exatamente se trata a série, então a não ser que você tenha pesquisado por artigos na internet sobre o programa e/ou recebido alguns spoilers no caminho, o episódio te trouxe mais dúvidas do que respostas.

E esse mistério, é que me prendeu, mas a princípio fiquei o tempo todo com uma sensação de nostalgia ruim por conta do passado da tv brasileira, aqueles discursos de BBB do Bial, os atores de novela, flashbacks que também me lembravam fortemente de novelas, me deixaram a sensação de que terminaria a noite decepcionado.

Bial em Supermax

Bial trouxe uma grande nostalgia RUIM para a minha pessoa

A verdade é que se pararmos para pensar, esse primeiro capítulo é uma novela sobre o BBB e somente no final fizeram questão de te mostrar que a série seria muito mais que uma novelinha, e que teria toda uma tensão psicológica e quem sabe até sobrenatural. E que sorte que colocaram esse final, pois ele que garantiu a minha audiência por pelo menos mais uma semana, não pelo cliffhanger (que foi muito bom), mas porque me prometeram o que eu esperava da série, uma espécie de terror psicológico, com todo mundo ficando louco por causa do confinamento, coisa aliás, que só não acontece no BBB por que eles estão numa mansão e passam a maior parte do tempo se divertindo e/ou bebendo.

Engraçado é que de todas as coisas possíveis de dar errada, a única que eu não esperava que acontecesse é na atuação, e foi exatamente o que aconteceu. Por usar alguns atores do mais alto escalão da Globo, me surpreendeu muito algumas cenas, que tiveram atuações assustadoramente ruins e falas totalmente forçadas, principalmente durante a interação com o Bial.

[O resto do texto eram expectativas que não precisam mais existir]

O decorrer da série até o último episódio

A cada episódio a série melhora mais, e vai se distanciando do que a gente está acostumado nas produções brasileiras até chegar ao ponto de parecer que estamos assistindo a uma série americana dublada (muito bem dublada).

Algo sensacional que fizeram, foi a sutileza na mudança de tom e estilo do programa, se você assistir o episódio 1 e depois pular direto para o 11 vai perceber que absolutamente tudo mudou, desde o comportamento dos personagens até a fotografia da série. Só que isso não é algo que você diz, que a partir do episódio X o comportamento dos personagens mudou, ou depois do acontecimento Y tudo ficou mais sombrio e assustador… foi tudo muito bem construído para quando chegasse no final, tivéssemos tanta mudança, sem nada muito brusco.

Final do episódio 1 Supermax

O final do primeiro episódio praticamente te obriga a assistir o segundo

Exploraram muito bem também as personalidades dos personagens. Já no primeiro capítulo, eles dividem dois lados, bem ao estilo reality show mesmo, onde os participantes incorporam personagens para tentar conquistar o público de casa, com o tempo vamos percebendo quem é quem na realidade.

Durante toda a temporada vimos que os escritores fizeram muito bem a lição de casa antes da estreia, temos referências a vários filmes e outras séries de sucesso, desde Jogos Mortais, American Horror Story, Lost, e muito de Arquivo X, tendo a divisão dos personagens entre os que acreditam na continuidade do programa e os que não, os que acreditam em coisas sobrenaturais, a punição para os pecados passados dos participantes, os mistérios sobrenaturais ou não…

Por conta dessas sutis referências, da alta qualidade da fotografia e dos sons, em vários momentos me senti mesmo assistindo um programa gringo. (Sim, vale a pena repetir)

Um geral técnico

Ainda que eu praticamente não tenha reclamações sobre os termos técnicos da série, os problemas de interpretação ainda se repetiram no decorrer dos episódios, o que é estranho já que quando o ator é bom, por mais que o texto seja fraco, ele pode usar, tanto da sua experiência para melhorar o texto, improvisar algo melhor ou simplesmente atuar muito bem, mas por algum motivo esse problema persiste.

A direção, de maneira geral, está de parabéns, os ângulos de câmera aumentaram o suspense das cenas de uma maneira sensacional, só fica a ressalva para os momentos em que existiram os problemas de interpretação dos atores, onde o diretor também tem responsabilidade por conta de muitos cortes que acabaram deixando as falas muito curtas e totalmente artificiais, fora isso mantiveram um padrão bem alto.

Cleo Pires em Supermax

Cleo Pires, tudo que tem de linda tem de ruim no primeiro episódio

Da mesma forma que eu elogiei os ângulos de câmera e depois critiquei os cortes, tenho que falar sobre o áudio, que cria um clima de suspense sem te dar aqueles sustinhos baratos de “Atividade Paranormal”, mas que não pareceram muito preocupados com a propagação do som, exemplo, um personagem grita agonizando em um campo aberto, o outro personagem que ainda está no mesmo terreno, não ouve nada disso. E esse fator se repete várias vezes, desde pessoas gritando por pesadelos, até a movimentação barulhenta que ninguém percebe.

Mas nada disso atrapalha o resultado final.

Quase me esqueço dos efeitos especiais e maquiagem, que era um dos pontos em que eu mais tinha desconfiança – já viu uma explosão de novela global? Eles simplesmente não conseguem fazer um atropelamento. E aqui temos criaturas, machucados, gore e outros efeitos fantásticos com uma qualidade surpreendente e que funcionam muito bem para imersão dos espectadores.

Globo Play

Como eu disse no início, a Globo disponibilizou para ASSINANTES, todos os episódios de uma vez, menos o último, que será lançado simultaneamente com a TV.

Isso tem um lado bom e um ruim.
-O bom é que a série é perfeita para “maratonar”, não tem episódios de encher linguiça como Jessica Jones, então você vai assistindo sem nem perceber o tempo passar.
-O ruim é que são R$ 15,00 a assinatura, onde você pode assistir qualquer coisa da programação deles, inclusive os episódios das novelas que estão no ar. Maaaas, o que eu, jovem rapaz ganho com isso? O preço da assinatura da Netflix é quase isso, entretanto tenho uma infinidade de coisas do meu interesse lá. Ou seja, para mim, e acredito que para a esmagadora maioria do público alvo da série, pagar essa quantia para aproveitar somente um produto, não é valido.

Enfim, eu particularmente não gostei dessa estratégia de liberar tudo para os assinantes, acho muito mais válido o esquema usado pela HBO que libera cada episódio um dia ou um fim de semana antes para quem paga a assinatura.

Porque simplesmente imagine, eu já assisti 11 episódios em um dia no começo de outubro, agora pense que o último capítulo só será lançado daqui 10 semanas. Quem assinou um mês só para usar um dia, provavelmente já vai ter esquecido muita coisa daqui 2 meses quando liberarem o final. Acho que foi uma estratégia muito ruim e espero que eles arrumem alguma saída diferente para os próximos lançamentos.


Para quem já assistiu, resolvemos deixar em um outro post alguns comentários com spoilers e as expectativas e teorias para o episódio final, então dá uma passada lá para discutirmos o fim.

Se você ainda não assistiu, recomendo fortemente que assista, e olha que dá para contar nos dedos do Lula as produções nacionais que eu recomendo, sendo que na ponta da língua, só “O Auto da Compadecida”.

Supermax (2016)

Sinopse:
12 pessoas são selecionadas para participarem de um reality show onde ficarão presos em uma cadeia de segurança máxima desativada no meio da floresta Amazônica, disputando um prêmio de 2 milhões de reais. Porém acontecimentos estranhos começam a colocar em dúvida a existência do programa, e eles começam a ter que enfrentar seus pecados do passado.

Diretor:

José Alvarenga Jr.


Elenco:

Mariana Ximenes,
Cleo Pires,
Erom Cordeiro
Maria Clara Spinelli,
Nicolas Trevijano,
Bruno Belarmino

ver elenco completo



Nossa nota: 9/10

Supermax é uma série intrigante e bem amarrada que vai dando as respostas aos poucos e utilizando referências dos seriados mais famosos do mundo para trazer ao Brasil algo de qualidade invejável.


Tags do post:


Close