BARONS

BARONS

Esquadrão Suicida das HQs vs Cinema 




Prepararam tudo para um filme perfeito, mas na hora H...




Esquadrão Suicida_cartaz

Vamos explorar um pouco sobre o Esquadrão Suicida das HQs (Novos 52), comparar com o filme e tentar descobrir como mesmo sendo extremamente fiel a base das histórias em quadrinhos, o filme acabou decepcionando.

Conhecendo o Esquadrão Suicida (Novos 52)

Gosto de conhecer histórias novas, e sair um pouco desse negócio de Batman e Superman (nem gosto do Superman), até por isso escrevo para o site, então quando a DC “rebootou” suas histórias com os Novos 52, escolhi conhecer melhor o Esquadrão Suicida, que estava ganhando popularidade com a ideia de um filme, animação e participação em seriados.

Para a minha surpresa eu curti mais essa HQ que a do próprio Batman (que estava passando muito tempo nas mãos dos vilões para o meu gosto), isso porque ela é bem diferente do que estamos acostumados. Primeiramente Esquadrão Suicida é um dos títulos mais honestos dos quadrinhos, tanto que chega a ser difícil listar os membros da equipe aqui, já que os personagens são mortos e substituídos toda hora, as vezes em batalha, as vezes mortos por seus companheiros ou até tendo a cabeça explodida pela Amanda Waller. Isso torna as histórias extremamente dinâmicas e imprevisíveis.

A Origem do Esquadrão

Amanda Waller teve a ideia de criar o Esquadrão depois de perder bons amigos em combate, por isso decidiu que pessoas boas não deveriam fazer o tipo de trabalho que ela fazia, daí escolher pessoas “Expendables”, ou descartáveis para a sociedade.
Depois de autorizada, os prisioneiros poderiam se voluntariar para o projeto secreto, onde eles só sabiam que diminuiriam sua pena. A ideia parecia boa, para quem passaria o resto da vida numa cela fechada, sentindo o vento e a luz do sol por apenas uma hora por dia, qualquer chance de sair de lá era lucro.
Amanda não escolheu qualquer um para participar, eles passaram por um teste violento para saber quem poderia manter segredo sobre o projeto. Dos 37 iniciais somente 6 foram escolhidos para a primeira equipe: Pistoleiro, Arlequina, El Diablo, Tubarão Rei, Aranha Negra e Voltaico. Porém é possível que existissem outros Esquadrões antes do que nós acompanhamos e até durante, fazendo outras missões.

quer participar do Esquadrão Suicida

As diferentes motivações dos membros e da lider

Origem dos personagens

A origem do Pistoleiro no filme é bem parecida com a dos quadrinhos, com a diferença que o Batman não precisou que a filha do Lawton o ajudasse daquela forma, o morcego o surpreendeu durante um trabalho em Gothan e o prendeu sozinho.

Arlequina não foi presa pelo Batman e sim pela Canário, ela estava abatida pelo sumiço do Coringa e acabou sendo pega enquanto massacrava pessoas do submundo de Gothan.

El Diablo ganhou no filme uma origem mais triste, nessas HQs ele queimou mesmo sem querer mulheres e crianças, mas não eram sua esposa e filho e sim familiares de traficantes rivais.

Comparando os dois

Quanto as origens, se você leu o tópico sobre a origem na HQ acima, em vários pontos é parecida, mas na HQ é mais complexo e bem formulado, os personagens não estão no grupo obrigados e não foram escolhidos aleatoriamente.

Personalidades

No quesito personalidade, o filme também está muito próximo as histórias em quadrinhos, a Arlequina é totalmente maluca e sensualizada, flerta com todo mundo e sempre faz os comentários mais sem noção seja para amigos ou para inimigos, além de escapar sempre que possível e ter uma paixão mortal pelo Coringa. Mas no momento da transformação (em maluca) ela não foi tão assertiva quanto a pular no ácido, só depois do mergulho que ela se entregou totalmente ao Coringa e a loucura.

O Pistoleiro é o líder natural do time, no filme temos o Rick Flag que tenta comandar todo mundo, mas quem realmente tem o respeito do pessoal é o Pistoleiro. Um pouco mais retratado nas HQs é a sua frieza em matar qualquer um, exceto a Arlequina, que ele sempre hesita quando precisa dar um fim na palhaça. E como o Lawton nos quadrinhos não é o Will Smith, então ele usa seu capacete/mascara durante todas as missões.

El Diablo está sempre em busca de redenção pelos seus pecados passados e por isso só utiliza seus poderes em último caso, o filme foi muito fiel nesse ponto.

Sabemos que o Capitão Bumerangue teve cenas cortadas do filme, nelas ele se aproximava mais do que é nos quadrinhos: um escroto total. É o cara que não se importa em trocar de lado ou ferrar o resto da equipe. Nas HQs ele não aceita ordens do Pistoleiro e fica rivalizando com ele o tempo todo pela liderança.

O Coringa do Jared Leto é muito diferente de qualquer Coringa e isso já sabemos, nas poucas vezes em que ele aparece na HQ, ele está mais maluco que o normal (perder a cara não é pra qualquer um), e a sua relação de amor com a Arlequina não é algo que possa ser retratado no cinema, não num filme convencional.

Amanda Waller é mais jovem nas HQs, além da habilidade com armas ela também é uma lutadora de primeira e é badass como poucos personagens das histórias em quadrinhos, como no cinema a personagem é mais velha eles exploraram mais a parte política e suas habilidades militares, mas nos dois é uma mulher que além de não abaixa a cabeça para ninguem, ainda coloca o dedo na cara de todo mundo.

El Diablo Esquadrão Suicida

Varias inspirações para o filme numa unica cena: massacre na cadeia, o diabão…

O clima

Nas HQs as interações entre os personagens são mais ou menos o que foi mostrado no cinema, a grande diferença está na violência. O filme não é +18 anos, por isso não poderiam dilacerar seres humanos, então usaram aqueles zumbis bizarros, eles até tentam dar um peso as mortes quando Flag revela que aquelas eram pessoas inocentes horas antes, mas a realidade é que nem personagens e nem público realmente se importaram.

Para ter uma ideia da falta dessa censura nas HQs, a primeira missão oficial do Esquadrão é ir “limpar” um estádio com 60 mil pessoas que estão infectadas com um tipo de vírus cibernético. Algumas pessoas são zumbis robóticos, porém outras só tem algumas marcas pelo corpo, mas todas são queimadas, eletrocutadas, baleadas, e literalmente comidas e rasgadas ao meio pelo Tubarão Rei, no final o Pistoleiro fala que eles precisam de um bode expiatório e simplesmente atira na cara do Voltaico, que tinha acabado de salvar sua vida e larga o cadáver dele lá para receber a culpa pelo massacre.

Depois das críticas com o tom do Homem de Aço e Batman Vs Superman, seria idiotice se a DC/Warner seguisse a carnificina das HQs, tornar o filme mais leve foi uma mudança justa para o filme.

Um filme parecido, mas diferente…

Resumão: Vimos então que o filme segue o molde dos personagens dos quadrinhos, com algumas mudanças aqui e ali para adequar a mídia diferente, fazendo os espectadores se identificar mais com alguns personagens. Porém para ser um filme genuíno do Esquadrão deveria ser com censura para 18 anos, mas entendemos a suavizada na violência.

Agora, o filme ser fraco esbarra muito no roteiro escrito para ele. Na minha opinião, um filme de origem numa franquia é o mais difícil de ser produzido, isso porque você tem que apresentar todo mundo e ainda contar uma história que conquiste público para as sequências, eles têm que apresentar todos os personagens para só depois contar uma história envolvendo eles. E o Esquadrão Suicida falhou nisso, a apresentação dos personagens é rápida e eficaz, mas o desenrolar da história é só mais um filme de ação da sessão da tarde, sem conteúdo nem ritmo, onde os personagens não conseguem andar e falar ao mesmo tempo, toda hora aparece uma desculpa para eles encostarem e conversarem para depois o filme continuar.

Não vou entrar no mérito do Coringa porque ele nem é do time, e esse personagem do Jared Leto não tem um parâmetro de comparação, ele é totalmente diferente de qualquer Joker que eu conheço, por um lado a risada dele é sensacional, por outro, minha cabeça não conseguiu aceitar o estilo cafetão dele.

Coringa e Arlequina Esquadrão Suicida

Se o Apocalypse segurando a Mystica pelo pescoço já deu polemica, imagina uma cena dessas no cinema

Dos filmes da DC, acho que o Esquadrão está mais perto do ponto ideal com os personagens mais bem aceitos e um tom bem próximo do que os fãs estão acostumados nas HQs, os atores tiveram uma química boa, principalmente o casal Pistoleiro e Arlequina (Will Smith e Margot Robbie já tinham mostrado que se entendiam em Golpe Duplo), por isso minha expectativa para a sequência não caiu tanto quanto o do resto do pessoal, mas a DC/Warner tem que parar de lançar filmes sem ter certeza que ficou bom, esse é só o início do Universo DC nos cinemas, mas planejamento não faz mal para ninguem!


Tags do post:


Close