BARONS

BARONS

Corra (2017) – Suspense, preconceito e uma sensação constante de incômodo







Corra 2017 cartaz

‘Corra’ é um filme que apesar de já ter feito muito mais sucesso que o dinheiro investido estimava, merecia ainda mais, não só dinheiro, como reconhecimento de um número maior de pessoas, principalmente no Brasil onde o filme ficou muito pouco tempo em cartaz e não deu tempo para o “boca a boca” fazer tanta propaganda.

Corra x Corrente do Mal

Get Out, no título original, é para 2017 o que foi Corrente do Mal (It Follows) em 2014, um filme praticamente independente, onde o criador da história é também roteirista e diretor, dando ao filme a cara mais próxima possível ao que foi imaginado, sem grandes interferências de estúdios e produtores que quase sempre descaracterizam a ideia original.

Além das similaridades na produção, ambos tem temas que geram discussões, mas a forma com que são abordadas é o grande diferencial, já que encaixam essas discussões em filmes que fogem dos dramas tradicionais.

A grande diferença entre os dois é que ao invés de se perder no final como fez ‘Corrente do Mal’, ‘Corra’ termina de maneira maravilhosa.

Mas, vamos à história do filme

‘Corra’ conta a história do jovem casal de jovens namorados, Rose e Chris, ela branca e ele negro, que depois de alguns meses juntos vão visitar os pais dela num casarão isolado onde eles vivem.

Desde o princípio Chris se mostra preocupado com o fato dos pais dela não saberem que ele é negro, e assim como eu pensava até o momento, ela insistia que isso era coisa da cabeça dele.

Conforme a trama vai avançando, o nível de racismo com o personagem vai aumentando, e uma das coisas mais interessantes dessa história toda é que Chris se sente discriminado desde o começo, enquanto eu demorei um tempo para achar que eles começaram a passar dos limites, e por outro lado um dos amigos que assistiu ao filme comigo demorou pelo menos mais quatro cenas até admitir que o protagonista tinha razão.

Familia Armitage Corra 2017

Uma família aparentemente feliz e pacifica…

Essa sutileza na evolução da história é o maior acerto do filme, diferente de outras obras que discutem preconceitos raciais, usando aquelas situações dramáticas e mais explícitas de discriminação, durante praticamente todo o filme tanto Chris como os outros negros que aparecem são muito bem tratados por todos, mas o clima é pesado, os diálogos são incômodos, o tempo todo no limite da linha entre a inocência e o real preconceito.

Por esse clima citado acima, passei 70% do filme querendo que ele acabasse logo, a sensação era realmente angustiante, eu certo momento eu queria mais que o próprio Chris que ele fosse embora logo.

Apesar de absurda a real razão de toda a trama, isso não diminui o filme porque todas as soluções apresentadas fazem da história um ótimo filme – e mesmo que não fosse tão bom só pelo final corajoso e quase épico, usando elementos do começo do filme para fechar a história, já valeria totalmente a pena. 


Como a grande maioria dos filmes de baixo orçamento de sucesso, bons atores são necessários, temos então a excelente atuação de Daniel Kaluuya, que já teve participações pequenas em filmes grandes como Sicario, Kick Ass 2 e Johnny English 2, e que em 2018 deve ter uma visibilidade maior sendo um dos chefes de segurança de ninguem menos que o Pantera Negra.

Allison Williams tem uma carreira pequena no cinema, mas é uma das protagonistas da série ‘Girls’ da HBO. (Se você nunca assistiu a série deve pelo menos conhecer a cena dela na pia da cozinha ( ͡° ͜ʖ ͡°)).

chris e rose Corra 2017

Se Pedro estivesse aí, ele diria que é uma cilada. Mas quem nunca fez uma burrada por uma bela mulher né Chris…

E a mais famosa e com um papel importantíssimo na história também é a Catherine Keener, famosa por Capitão Phillips, Percy Jackson, O Virgem de 40 Anos…

Enfim, ninguém muito famoso, mas experientes, que se destacaram e ajudaram o filme a alcançar esse bom patamar com apenas $5 milhões de orçamento, gerando mais de $250 milhões mesmo sendo um filme +18!


Ótima história com excelente clima de tensão e atuações ‘Corra’ entrega todo o esperado e um pouco mais e mostra que não é necessário gastar caminhões de dinheiro para fazer um filme memorável e lucrativo.
 


Corra (2017)

Chris (Daniel Kaluuya) é um jovem negro que está prestes a conhecer a família de sua namorada Rose (Allison Williams). A princípio, ele acredita que o comportamento excessivamente amoroso por parte da família dela é uma tentativa de lidar com o relacionamento de Rose com um rapaz negro, mas, com o tempo, Chris percebe que a família esconde algo muito mais perturbador.


Diretor:

Jordan Peele


Elenco:

Daniel Kaluuya,
Allison Williams,
Catherine Keener
Bradley Whitford

Nossa nota: 9/10


Tags do post:


Close